Reuniões Científicas da ASSEP

As restrições e isolamento social, devido a pandemia de Covid-19, trouxeram mudanças e adaptações para as entidades e com a ASSEP não foi diferente. A entidade vêm realizando reuniões científicas periódicas para os profissionais de saúde. Com temas ligados a endocrinologia, assuntos como Hipogonadismo, Diabetes LADA e Feocromocitoma foram alguns dos assuntos abordados.

As atividades acontecem toda semana e são realizadas no aplicativo Zoom. Lembrando que, apesar de realizar algumas edições abertas ao público, os eventos serão voltados para os sócios da ASSEP. Siga nosso instagram @assepiede para conferir as próximas reuniões.

Seja associado da ASSEP

Doenças da Tiroide e COVID-19

A COVID-19 (coronavirus disease 2019) é uma infecção causada pelo vírus SARS-CoV-2 (severe acute respiratory syndrome coronavirus 2) que, além da pneumonia viral, leva a outras alterações sistêmicas. Neste texto comentamos sobre as possíveis ações do SARS-CoV-2 na tiroide e traçamos uma orientação geral sobre questões a serem pensadas no dia a dia na abordagem do paciente com doenças tiroidianas. Como esta é uma doença nova a experiência clínica ainda é escassa e as condutas são sugestões pautadas no bom senso e na experiência dos médicos do IEDE. Esperamos que possa servir como um guia para iniciar os questionamentos e discussões do melhor caminho a seguir, individualizando a conduta com cada paciente.

A COVID-19 e o agente causador

A COVID-19 (coronavirus disease 2019) é uma infecção causada pelo SARS-CoV-2 (severe acute respiratory syndrome coronavirus 2) e aparentemente surgiu em dezembro de 2019, em Wuhan, na China. A doença rapidamente se espalhou por esse e vários  outros países tornando-se uma pandemia, já que tem alto índice de transmissibilidade. O vírus SARS-CoV-2 pertence à família de outros coronavírus (CoVs) causadores de infecções  em humanos. Epidemias em anos recentes causadas por CoVs foram a SARS (síndrome respiratória aguda grave) e a MERS (síndrome respiratória do Oriente Médio).

O SARS-CoV-2 é um vírus RNA (mRNA) protegido por um capsídeo e envolvido por um envelope externo derivado da célula do hospedeiro. A entrada do vírus na célula do hospedeiro se dá através da enzima conversora de angiotensina-2 (ACE2).A proteína spike SARS-CoV-2 (S) se liga à ACE2 e em conjunto com as proteases do hospedeiro, principalmente a serina protease transmembrana 2 (TMPRSS2) e promove a entrada do vírus na célula. Os subconjuntos de células alvo de SARS-CoV-2 nos tecidos do hospedeiro e os fatores que regulam a expressão da ACE2 ainda são desconhecidos.

Os primeiros casos de COVID-19 foram de indivíduos que frequentavam um mercado de frutos do mar e outros animais característicos da culinária Chinesa, parecendo ter sido esta a fonte de transmissão original da doença. Posteriormente identificou-se que a transmissão por gotículas, aerossois e por contato direto é extremamente elevada. O período de incubação varia de 2 a 14 dias, sendo em média de 5 dias. É importante lembrar que até 5 dias antes de se tornar sintomático o indivíduo infectado já é transmissor. Se a doença é suspeitada é recomendado isolamento e uma vez confirmada a COVID-19, em princípio,o período de isolamento deveria se estender até que o PCR em tempo real (RT-PCR)para SARS-CoV-2 estivesse negativo; entretanto, um dado novo que se tem observado é que alguns pacientes podem permanecer com RT-PCR positivo por longos períodos sem evidência que ainda estejam infectantes, já que este exame detecta o material genético do vírus, mas não define a sua capacidade infectante. Deste modo estabeleceu-se como consenso que após 14 dias a partir dos primeiros sintomas os indivíduos acometidos podem retornar às suas atividades. Da mesma forma, os seus contactantes próximos, mesmo que assintomáticos, deverão cumprir o mesmo isolamento.

A doença acomete ambos os gêneros e ocorre em todas as idades. A gravidade da doença e a mortalidade é maior em idosos, mas, indivíduos de todas as idades estão em risco. Algumas condições aumentam o risco de infecção e predispõem a quadro mais grave, como diabetes mellitus, hipertensão arterial e outras doenças cardiovasculares, obesidade,câncer, asma e outras doenças pulmonares e alterações neurológicas, entre outras.

Alterações tiroidianas secundárias à COVID-19

Vários tecidos expressam a ACE2, sendo potencialmente alvos da ação do SARS-CoV-2. O mais estudado é a relação do vírus com o pneumócito, visto que a pneumonia viral é uma das características clínicas mais marcantes da doença. No entanto, sabe-se que glândulas endócrinas também expressam esta enzima, como pâncreas, tiroide, testículos, ovários, adrenais e hipófise.

Há poucos dados na literatura acerca do comprometimento da tiroide pelo SARS-CoV-2. Um dos poucos estudos realizados durante a epidemia de SARS na epidemia de 2002-2003 relatou que em pacientes graves a triiodotironina (T3) e a tiroxina (T4), assim como o hormônio estimulador da tiroide (TSH) eram mais baixos tanto na fase aguda quanto na convalescença quando comparados com controles e normalizavam progressivamente nos meses seguintes à recuperação, necessitando acompanhamento da função tiroidiana. Vários mecanismos foram aventados, como síndrome do eutiroidiano doente, hipotireoidismo central, podendo estar associado à hipocortisolismo secundário, e associação de hipofisite ou alteração hipotalâmica com apoptose de células tiroidianas causadas pelo SARS-CoV. No entanto, não se detectou material viral da SARS na tiroide, mas apenas em monócitos e linfócitos no sangue que perfundia a glândula.

Na atual pandemia pelo SARS-CoV-2 um estudo com 3 casos de autópsia descreveu alterações degenerativas e  necrose de células tiroidianas, ao lado de trombose em pequenos vasos e outras alterações patológicas de doenças crônicas, sem evidências específicas de infecção por coronavírus.

Recentemente foi publicado o primeiro caso em que uma jovem com sintomas leves de COVID-19 e swabnasofaríngeo positivo para o vírus apresentou sintomas e exames compatíveis com tireoidite sub-aguda 15 dias após; após tratamento com prednisona recuperou-se clinicamente na semana seguinte e teve os exames laboratoriais normalizados 40 dias após. Outros casos têm sido observados após esta descrição.

Doenças tiroidianas durante a pandemia de COVID-19

Algumas diretrizes começam a ser esboçadas sobre como proceder em relação a alguns aspectos relativos às doenças da tiroide durante a pandemia por COVID-19, mas ainda não há estudos que deem suporte a recomendações definitivas. Algumas medidas podem ser sugeridas seguindo o bom senso, mas a autonomia de cada médico é soberana na condução de cada caso.

Os pacientes com disfunção tiroidiana – hipotireoidismo ou hipertiroidismo -têm o mesmo risco que o restante da população de contrair a COVID-19. Mesmo se forem portadores de Tiroidite de Hashimoto ou Doença de Graves, estas não estão entre as doenças autoimunes que aumentam o risco para a COVID-19. Da mesma forma, caso adquiram  esta doença não estarão propensos a manifestar formas mais graves. Uma situação especial é a daqueles que apresentam tireotoxicose não controlada, podendo resultar em complicações mais graves da infecção por SARS-CoV-2, incluindo a crise tireotóxica.

Atente-se que idosos, gestantes e com outras morbidades, como diabetes mellitus, hipertensão arterial e outras doenças cardiovasculares, obesidade, câncer, asma e outras doenças pulmonares e alterações neurológicas, entre outras, fazem parte do grupo de risco e devem ser devidamente orientados.

Pacientes com hipotiroidismo devem ser orientados a manter a dose habitual de levotiroxina (LT4). Para os que residem distantes do hospital e necessitem usar transporte público, deve haver estímulo a que, se possível, procurem obter a sua medicação em local próximo à sua residência a fim de evitar a locomoção. Aqueles compensados e apenas em avaliações de rotina devem ser orientados a comparecer ao serviço após o término do distanciamento social, a não ser que surja fato novo ou dúvidas, o que poderá gerar uma consulta para avaliação ou esclarecimento.Se necessitarem internação por COVID-19 ou por outro motivo devem comunicar ao médico ou profissional de saúde que tomar os seus dados sobre o uso do LT4 e das demais medicações que façam uso.

Os pacientes com hipertiroidismo em uso de tapazol (TPZ) devem ser orientados a manter a medicação. Como o uso desta medicação pode necessitar ajuste de dose, esses devem realizar os exames no período indicado pelo endocrinologista. Vale a mesma recomendação acima acerca de deslocamentos em transporte público. Para os que eventualmente estejam em uso de propiltiouracil (PTU) é importante notificar que esta medicação está em falta no mercado sem previsão para retorno, de modo que o médico assistente deverá fazer a troca por TPZ com a correspondência PTU20:1TPZ, ou avaliar outra alternativa terapêutica.Se houver necessidade de internação devem comunicar ao médico ou profissional de saúde sobre o uso do TPZ ou outra medicação para o hipertiroidismo, assim como das demais medicações em uso.

ATENÇÃO: Nos casos de granulocitopenia/agranulocitose a febre e os sinais de doença, como faringite, podem se sobrepor aos sintomas da infecção por COVID-19,de modo que deve ser reforçado aos pacientes em uso de droga antitireoidiana (DAT) que procurem serviço de emergência caso apresentem esses sintomas, notificando que fazem uso desta medicação. Segundo a declaração da British Thyroid Association (BTA)/ Society for Endocrinology (SfE) (https://www.british-thyroid-association.org/sandbox/bta2016/management-of-thyroid-dysfunction-during-covid-19_final.pdf) o paciente infectado com COVID-19 pode manter o uso de DAT, a menos que a neutropenia(neutrófilos <1,0 x109 / L) esteja presente. E chamam a atenção que a linfopenia, comum nos pacientes com Infecção por COVID-19 não é uma indicação para interromper a DAT.

Em relação aos nódulos de tiroide com características benignas em que o paciente esteja em observação é recomendado que a próxima consulta seja realizada após passado o período de distanciamento social, a não ser que um ou mais nódulos apresente crescimento, sintomas de compressão ou outro fato novo que o preocupe, devendo então retornar à consulta para avaliação.Na maioria dos pacientes, uma ultrassonografia (US) e punção por agulha fina da tiroide (PAAF) poderão ser adiadas. Casos especiais com achados ultrassonográficos anteriores  suspeitos para câncer de tiroide deverão ser avaliados individualmente. Da mesma forma deverão ser adiados os procedimentos de Injeção Percutânea de Etanol (IPE), a não ser que se faça urgente a descompressão de cisto volumoso. Os casos de exceção serão avaliados a critério do endocrinologista e do radiologista.

Em relação à cirurgia da tiroide, o International Head and Neck Scientific Group em suas recomendações sobre os procedimentos em cabeça e pescoço durante a epidemia (https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/hed.26164) orienta que “Todas as intervenções com potencial para aerossolizar secreções aerodigestivas devem ser evitadas ou realizadas apenas quando obrigatórias”. Deste modo, a maioria dos procedimentos poderá ser adiada. Casos especiais em que não possa ser postergada,ficam a critério do endocrinologista em acordo com o cirurgião.Uma diretriz internacional está em vias de publicação (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/32243668) e recomenda que “O adiamento da cirurgia eletiva ou quimioterapia adjuvante para pacientes com câncer com baixo risco de progressão deve ser considerado caso a caso. Minimizar as consultas ambulatoriais pode ajudar a mitigar a exposição e a possível transmissão adicional. A telemedicina pode ser usada para apoiar os pacientes, a fim de minimizar o número de visitas e o risco de exposição.”

Algumas situações em que pode ser necessário manter cirurgias agendadas ou realizar cirurgias não agendadas previamente constam no quadro 1.

Quadro 1 – Algumas situações em que pode ser necessário realizar cirurgias durante a pandemia de COVID-19

Casos com PAAF suspeitos ou positivos para câncer de tiroide (Bethesda V ou VI)
Hipertiroidismo severo não controlado com medicação
Bócio com sinais importantes de compressão ou com risco de obstrução iminente das vias aéreas
Gestantes com qualquer alteração tiroidiana que ponha em risco a vida da mãe ou do feto e que não possa ser controlada com medicação

Para os pacientes com câncer de tiroide já operados e aguardando o tratamento com iodo radioativo, procedimento que implica em várias idas ao serviço médico, o que aumentaria a sua exposição, deve-se pensar em  adiar por alguns meses o procedimento visto que não implicaria em aumento do risco de recorrência, pois na maioria dos pacientes com CDT o tratamento visa apenas eliminar tecido residual. . Os pacientes com CDT tratados e com a doença sob controle não fazem parte do grupo de risco para adquirir ou para apresentar COVID-19 mais grave, devendo manter o tratamento habitual.

Aqueles com CDT com metástases à distância, especialmente se pulmonares, outros cânceres menos diferenciados, câncer medular, anaplásico, em uso ou não medicamentos específicos para o câncer (sorafenibe, lenvatinibe, vandetanibe) devem ser orientados que podem apresentar maior risco para adquirir formas mais graves da COVID-19. Para esses o  tratamento com iodo radioativo pode ser mais premente. Cabe ao endocrinologista avaliar cada caso, se necessário fazendo uso de dados de exames complementares e em acordo com o médico nuclear.

Para as gestantes com disfunção tiroidiana as recomendações são as mesmas para não gestantes, avaliando-se os benefícios de avaliações periódicas mais frequentes versus  o risco do uso de transportes públicos e idas aos hospitais e laboratórios.Em função do desabastecimento de PTU a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) (https://www.endocrino.org.br/media/comunicado_(comunicado_classe_medica_desabastecimento_ptu_14maio2010_-_texto_site.pdf) recomenta “utilizar o medicamento MTZ, mesmo no primeiro trimestre da gestação, na menor dose possível objetivando o controle do hipertireoidismo, de acordo com os guidelines disponíveis”. Essas pacientes devem ser orientadas acerca da troca, respeitando a equivalência entre as medicações.

Conclusão

Os dados referentes à COVID-19 e a tiroide são escassos e as condutas mencionadas neste documento são pautadas no bom senso, mais do que em estudos científicos comprovados na literatura médica, já que esta ainda é uma doença nova e a experiência a respeito é pequena. Pretendemos que essas recomendações possam servir como um guia para iniciar os questionamentos e discussões sobre o melhor caminho a seguir com cada paciente, respeitando a individualidade de cada um e a autonomia médica.

Autor

Rosita Fontes

Endocrinologista do ambulatório de tiroide do IEDE

Contato

fontesrosita@hotmail.com

Sugestão de leitura complementar

Al-Shamsi HO, Alhazzani W, Alhuraiji A, et al. A Practical Approach to the Management of Câncer Patients During the Novel Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) Pandemic: An International Collaborative Group. Oncologist.2020 Apr 3. doi: 10.1634/theoncologist.2020-0213. Online[in press].

Boelaert K, Visser WE, Taylor PN, et al. Endocrinology in the Time of COVID-19: Management of Hyper- And Hypo- Thyroidism Eur J Endocrinol 2020;EJE-20-0445.R1. doi: 10.1530/EJE-20-0445. Online[in press].

Brancatella A, Ricci D, Viola N, Sgrò D, et al. Subacute Thyroiditis After SARS-CoV-2 Infection. J Clin Endocrinol Metab  2020;dgaa276. doi: 10.1210/clinem/dgaa276. Online [in press]

British Thyroid Association (BTA)/ Society for Endocrinology (SfE) statement regarding issues specific to thyroid dysfunction during the COVID -19 pandemic. Disponível em https://www.british-thyroid-association.org/sandbox/bta2016/management-of-thyroid-dysfunction-during-covid-19_final.pdf. Consulta em 18 de maio de 2020.

Desailloud R, Hober D.Viruses and thyroiditis: an update. Virol J. 2009; 6: 5-19.

Gu J, Gong E, Zhang B, et al. Multiple organ infection and the pathogenesis of SARS. J Exp Med 2005;202:417- 24.

Guan WJ, Ni ZY, Hu Y, et al. Clinical characteristics of coronavirus disease 2019 in China. N Engl J Med. 2020 (18):1–13.

Kowalski LP, Sanabria A, Ridge JÁ, et al. COVID ‐19 pandemic: Effects and evidence‐based recommendations for otolaryngology and head and neck surgery practice, Disponível em https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/hed.26164, consulta em 20 de maio de 2020.

Li M-Y, Li L Zhang Y, Wang X-S. Expression of the SARS-CoV-2 Cell Receptor Gene ACE2 in a Wide Variety of Human Tissues. Infect Dis Poverty 2020; 9(1):45-51.

Lu R, Zhao X, Li J, et al. Genomic characterisation and epidemiology of 2019 novel coronavirus: implications for virus origins and receptor binding. Lancet 2020;395(10224):565-74.

Perlman S, Dandekar AA. Immunopathogenesis of coronavirus infections: implications for SARS. Nat Rev Immunol 2005; 5:917-27.

Sun S, Wei L, Zhang J,  et al. Pathology and immunohistochemistry of thyroid in severe acute respiratory syndrome. Zhonghua Yi Xue Za Zhi. 2005 16;85(10):667-70.

Tan YJ, Fielding BC, Goh PY, et al. Overexpression of 7a, a protein specifically encoded by the severe acute respiratory syndrome coronavirus, induces apoptosis via a caspase-dependent pathway. J Virol 2004;78:14043- 7.

Vrachimis A, Iacovou I, Giannoula E, et al. Endocrinology in the Time of COVID-19: Management of Thyroid Nodules and Cancer. Eur J Endocrinol 2020 May 1;EJE-20-0269.R2. doi: 10.1530/EJE-20-0269. Online[in press].

Wang C, Horby PW, Hayden FG, Gao GF. A novel coronavirus outbreak of global health concern. Lancet 2020;395:470–3.

Wang W, Ye YX, Yao H.  Evaluation and observation of serum thyroid hormone and parathyroid hormone in patients with severe acute respiratory syndrome.J Chin Antituberculous Assoc.2003;25:232–4.

Wei L, Sun S, Xu CH, et al.Pathology of the thyroid in severe acute respiratory syndrome. Hum Pathol. 2007 ;38(1):95-102.

Weia L, Sun S,  Xu C-h, et al. Pathology of the in severe acute respiratory syndrome. Human Pathology; 2007 38: 95– 102.

Wang W, Ye YX, Yao H. Evaluation and observation of sérum thyroid hormone and parathyroid hormone in patients with severe acute respiratory syndrome. J Chin Antituberculous Assoc 2003;25: 232- 4.

Wu Zunyou, McGoogan Jennifer M. Characteristics of and important lessons from the coronavirus disease 2019 (COVID-19) outbreak in China: summary of a report of 72 314 cases from the Chinese Center for Disease Control and Prevention. JAMA. 2020;323(13):1239-43.

Yao XH, Li TY, He ZC, Ping YF, et al. A pathological report of three COVID-19 cases by minimal invasive autopsies. Zhonghua Bing Li Xue Za Zhi. 2020 8;49(5):411-17.

Ziegler CGK, Allon SJ, Nyquist SK, et al. SARS-CoV-2 Receptor ACE2 Is an Interferon-Stimulated Gene in Human Airway Epithelial Cells and Is Detected in Specific Cell Subsets across Tissues. Cell. 2020 Apr 27. pii: S0092-8674(20)30500-6. doi: 10.1016/j.cell.2020.04.035. Online [in press] PMID: 32413319

Diabetes e Covid-19

As doenças crônicas podem gerar complicações maiores para quem contraiu o novo coronavírus. Pessoas com diabetes também correm o risco de ter sintomas mais graves, mas é importante lembrar que isso acontece com mais frequência para quem tem longa história de diabetes, mau controle metabólico, presença de complicações, doenças concomitantes e, especialmente, os idosos.

O agravamento pode ocorrer tanto para quem tem diabetes tipo 1 quanto para o tipo 2. A baixa imunidade está diretamente ligada à hiperglicemia. Por isso, monitorar o controle da glicemia, manter uma alimentação equilibrada, usar adequadamente a insulina ou medicação oral e fazer atividade física, colabora para enfrentar a Covid-19 com menos riscos.

Manter o contato com seu médico é fundamental, principalmente nesse momento de aumento de número de casos do novo coronavírus. A telemedicina é uma opção para tirar suas dúvidas e seguir com os cuidados necessários.

O Novo Coronavírus e Obesidade

Alguns estudos buscam entender melhor a relação entre a infecção por COVID-19 e a presença de doenças crônicas como fatores de risco para formas mais graves da infecção. Muitos pacientes que tiveram complicações tinham um histórico de diabetes ou hipertensão.

E a obesidade, seria também um fator de risco? O The Lancet Infectious Diseases publicou um artigo sobre essa associação em um hospital da China.

O estudo contou com a participação de 383 pacientes, entre os quais 123 (32%) apresentavam sobrepeso e 41 (10,7%) eram obesos. Após ajuste para variáveis como idade, sexo, comorbidades prévias e dias de hospitalização, a análise estatística demonstrou que indivíduos com IMC > 28 kg/m2 tinham 4,4 x mais chance de evoluir com pneumonia, correlacionando esta complicação de forma linear com o nível de IMC (metade dos homens obesos apresentaram formas severas de pneumonia). Uma série de hipóteses podem explicar estes achados: presença de apneia obstrutiva do sono, menor capacidade ventilatória pulmonar (déficit ventilação/perfusão) e uma pior resposta imunológica (expressão de citocinas pró-inflamatórias) nos indivíduos obesos expostos à COVID-19.

Apesar de algumas limitações (tamanho da amostra, não avaliou presença de tabagismo, predominância de homens no grupo de obesos), o estudo já aponta uma correlação importante da obesidade, doença de proporções epidêmicas especialmente nos países ocidentais, com uma pior evolução nas infecções por COVID-19. Aos médicos, recomenda-se um maior nível de atenção e manejo cuidadoso dos indivíduos obesos. Aos pacientes, fica a mensagem de intensificar os cuidados e medidas de distanciamento social para evitar a infecção.

O artigo completo pode ser conferido na Lancet Infectious Disease (https://ssrn.com/abstract=3556658).

COVID-19: Funcionamento do IEDE

Durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o IEDE está seguindo as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS) para proteger seus pacientes e evitar uma contaminação ainda maior da população pelo vírus.

O IEDE está aberto, mas com atendimento restrito. As consultas de rotina estão canceladas e a orientação é que não procure a unidade se estiver com suspeita de coronavírus. Permaneça em casa. Só procure uma Unidade de Pronto Atendimento caso apresente febre, dificuldade de respirar e queda importante do estado geral.

Confira os procedimentos realizados no IEDE neste momento.
  • Atendimentos de pacientes com diabetes (especialmente em uso de insulina), hipertireoidismo, neoplasia da tireoide e de risco cirúrgico na cardiologia que não possam ser adiados;
  • Distribuição de remédios na farmácia;
  • Renovação de receitas de medicação controlada (LME).

O telefone do IEDE está disponível para informações: 2332-7154

Encontro do IEDE e AACE Brazil 2020

Uma parceria inédita, entre o Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione e a American Association of Clinical Endocrinologists (AACE), marca a 49ª edição do Encontro Anual do IEDE. Este ano, o evento será em conjunto com o AACE Brazil (Annual Meeting of The AACE Brazilian Chapter), coordenado pelo Dr. Francisco Bandeira.

As atividades científicas acontecem no dia 20 e 21 de novembro, no Vogue Square Convention Center, na Barra da Tijuca, e unem a excelência dos debates baseados em evidências da AACE com o conhecimento e ética do tradicional evento do IEDE. A ideia é promover um intercâmbio de conhecimento, com formato dinâmico e interativo, abordando os temas mais relevantes na prática clínica.

A montagem da programação científica está em andamento e os nomes dos palestrantes estão sendo discutidos. Entre alguns dos assuntos já definidos estão: tratamento do diabetes, obesidade e suas complicações, microcarcinoma da tireoide e abordagem do tratamento dos sintomas da menopausa. Os doutores Simon Heller, Hossein Gharib e John Bilezikian são os palestrantes internacionais confirmados.

Mais detalhes sobre inscrições serão divulgados em breve no site oficial do evento.

Turma do Jubileu de 25 Anos

Além dos tradicionais Prêmio José Schermann e Medalha Francisco Arduíno, o Encontro Anual do IEDE também teve outro momento especial. A Turma do Jubileu completava 25 anos de formados no IEDE e homenagearam os professores da época.

A escolha dos professores foi promovida em uma votação pelos residentes e pós-graduandos da turma. Os homenageados foram o Dr. Maurício Barbosa Lima, a Dra. Dayse Caldas e a Dra. Edna Pottes Pinto. Além disso, o Dr. Ricardo Meirelles também foi lembrado pelos 30 anos à frente do IEDE.

 

Homenagens no Encontro 2019

Anualmente a ASSEP faz homenagens especiais durante o Encontro do IEDE. Esse ano a tradição se manteve e os doutores Amélio Godoy Matos e Maria Lucia Fleuiss de Farias foram os agraciados. 

A ASSEP entregou o Prêmio José Schermann à Dra. Maria Lucia, que recebeu flores das mãos da presidente da Associação, Dra. Cynthia Valerio, e palavras do Dr. Mauricio Barbosa Lima. Após a entrega, a Dra. Maria Lucia proferiu a conferência “Histórico do osteometabolismo no RJ”.

O Dr. Amélio recebeu a Medalha Professor Francisco Arduíno e compartilhou nas suas redes sociais a emoção de ter sido agraciado com a honraria. O prêmio foi entregue no segundo dia de evento e depois o endocrinologista apresentou a conferência “Diabetes e obesidade: uma viagem metabólica”. A homenagem, com um retrospecto da carreira do Dr. Amélio foi feita pela Dra. Cynthia e era nítida a emoção do Dr. Amélio ao receber a premiação.

O Dr. Ricardo Meirelles, diretor do IEDE, lembrou que o Dr. Amélio resgatou a obesidade para os endocrinologistas, como uma atividade séria e que precisa de uma atenção especial. “Amélio foi uma das pessoas mais importantes nesta transformação. Todos nós, endocrinologistas, temos uma dívida de gratidão com ele”.

Projetos 2020

Na abertura e no primeiro dia do 48º Encontro Anual do IEDE, a Dra. Cynthia Valério, presidente da ASSEP, e o Dr. Ricardo Meirelles, diretor do IEDE, anunciaram oficialmente a realização do próximo encontro em 2020, que acontece em conjunto com o AACE Brazil.

O AACE Brazil é um evento consagrado internacionalmente e aconteceu nos dias 15 e 16 novembro em Recife, com a coordenação do Dr. Francisco Bandeira.

Durante o evento, foi definido o projeto 2020, trazendo a edição do AACE para o Rio de Janeiro. Ele será realizado durante o Encontro do IEDE. Uma iniciativa inédita no Encontro do IEDE e no AACE Brazil.

A notícia foi recebida com entusiasmo pelos participantes.

48º Encontro Anual do IEDE

São dois dias de atividades no Encontro Anual do IEDE, promovido pela ASSEP – Associação de Ensino e Pesquisa do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione – acontecendo no Hotel Windsor Marapendi, na Barra da Tijuca.

Vejam os registros feitos pelo Luiz Póvoa, médico e membro da Diretoria da ASSEP, e que tem a fotografia como um hobby especial.

Clique em cima da foto para ampliá-la.

Imagens do 48° Encontro Anual do IEDE